Paula Aoki | Fonoaudióloga

Quando o bebê nasce

Saiba como ocorre cada etapa do desenvolvimento da linguagem infantil 0 a 12 meses

Etapa preciosa, que define o uso do corpo e da linguagem como ferramenta de comunicação. Fazer aquela festa quando a criança emite sons, repetindo-os e dando significado a eles, é muito importante. Cuidadores devem estimular a linguagem de forma adequada, nada de muito complexo: conversar com o bebê, narrar o que está acontecendo e o que vão fazer, nomear objetos e pessoas. Como produto disso, por volta dos 12 meses, o bebê emitirá sons com intenção e significado, sendo normal que estabeleça esse aprendizado um pouco antes ou um pouco depois.

1 a 2 anos

Os primeiros sons estarão entre os fonemas "p", "b", "t", "d", "k", "g", "m" e "n" pela sua simplicidade de articulação, comparados com os demais do português. As crianças formarão pequenas sílabas e essas, acrescidas de repetição, formarão as "palavrinhas". Por exemplo, mamãe passa de "mã" a "mãmã". E, assim, forma-se um vocabulário infantil de consenso coletivo: "papá", "vovó", "nenê", "cocó", entre outras. Também, ao longo desse período, deverão adquirir todas as vogais. Até completar dois anos, acrescentarão os fonemas "nh", "f", "v", "s" e "z". E começarão a juntar sílabas diferentes para formar pequenas palavras. Depois, formarão frases com duas ou três palavras.

2 a 3 anos

Ocorre o grande avanço da linguagem. A criança aprenderá mais alguns fonemas ("ch", "j", "ti", "di" e "l"), suas palavras terão menos trocas e omissões e ela começará a estruturar frases mais complexas. Fará pequenos relatos e travará bons diálogos, surgindo com novas palavras diariamente.

3 a 4 anos

As frases ficam mais completas, com quase todos os elementos, porém, ainda com falhas nas flexões verbais (por exemplo, "eu comi", "eu cai", "eu di", em vez de "eu dei"). Quanto à aquisição fonêmica, começa a utilizar "lh", "r" e "rr" em algumas palavras, não em todas.

4 a 5 anos

Finalização da aquisição fonêmica. Até por volta dos cinco anos, a criança falará as palavras no padrão do adulto. Últimas aquisições: "r" e "l" ao lado de outra consoante, tal como, "preto", "branco", "clube", "planta".

6 anos

Fala corretamente , aprende a ler e escrever.

Dicas para pais e educadores

A estimulação pode ser diferente em cada etapa. Atitudes simples, como narrar o que está fazendo ou o que irá fazer, ler histórias, ouvir e cantar músicas e brincar com a criança, são formas de apresentar o mundo, formar laços afetivos saudáveis e confiáveis, a fim de que o aprendizado da língua se dê em um ambiente estimulante, seguro e prazeroso.

A leitura é um estímulo excelente, que deve começar desde bebê. À medida que a criança vai aumentando sua capacidade de se concentrar numa mesma atividade, seu aproveitamento será maior. Lembre-se de que as histórias infantis permitem a ampliação do vocabulário, aguçam suas curiosidades e a interpretação das falas dos personagens com inflexões vocais marcantes e favorecem estímulos num ambiente recheado de fantasia.

A música aprimora a acuidade auditiva e exige acompanhar determinado ritmo, ou seja, exercita dimensões de tempo e do espaço no ambiente da linguagem. Além disso, pode ampliar o vocabulário e favorecer a aquisição dos fonemas.

O adulto é quem deve dar o modelo correto das palavras e não o inverso – como passar a falar como a criança porque acha bonito. Utilizar um vocabulário infantilizado ou cheio de palavras no diminutivo (terminar tudo com "inho" e "inha") pode atrapalhar o desenvolvimento.

Uma coisa é dar o modelo correto, outra é corrigir e exigir que se fale certo. No segundo caso, deve-se ter segurança se a criança já adquiriu o fonema que está sendo omitido ou substituído na palavra. Afinal, exigir que ela faça algo a que não está habilitada pode gerar frustração e fuga da comunicação oral, em vez de estimular.

Fonte: Fonoaudiólogo especialista em linguagem e doutor em pediatria Márcio Pezzini França, professor da UFRGSS

Fga. Paula Aoki
CRFa.8264-PR É fonoaudióloga clínica, formada pela Universidade do Norte do Paraná (UNOPAR) ano de 2002, atuando parte clínica desde 2002.
 
redes sociais
 
localização