Paula Aoki | Fonoaudióloga

gagueira



O que é Gagueira?
Gagueira é um distúrbio na temporalização da fala que afeta a fluência e a comunicação. A temporalização significa o tempo de execução dos sons, sílabas, palavras e frases. Cada som da fala tem um tempo usual para ser falado. Esse tempo depende da região onde a fala é produzida. No caso da gagueira, alguns sons demoram mais para serem ditos. Esse tempo maior interfere na fluência.

Já a fluência representa a suavidade e facilidade com que os sons, silabas, palavras e frases são produzidos ao longo da fala. No caso de pessoas com gagueira, a produção da fala é trabalhosa e a ligação entre sons, sílabas, palavras e frases não é automática ou espontânea, como ocorre com quem não tem a condição.

Sintomas de Gagueira

• Alguns dos sintomas da gagueira são:

• Prolongamento de sons. O som é emitido por maior tempo do que o esperado. Por exemplo: "Aaabra a porta, por ffffavor"

• Bloqueios de sons, ocorrem quando um som fica impossibilitado de ser articulado. Por exemplo: "(alguns momentos de silêncio) Abra a porta, por favor"

• Repetição de sons e sílabas. Por exemplo: "A-a-bra a porta, por favor"

• Troca de palavras durante a fala. A pessoa que gagueja vai dizer uma palavra e antes de fazê-lo percebe que irá gaguejar, por isso troca a palavra. A questão da gagueira está no gesto pré-motor. Ela recebe pistas ao redor de 450 milissegundos antes de que aquele determinado som não será articulado.

• Uso mais frequente de interjeições. Por exemplo: "tipo assim, então, né?!"

• Simplificação de frases. Acontece quando a pessoa recebe pistas motoras de que vai gaguejar em determinada palavra e decide tirá-la ou substitui-la por uma palavra mais simples da frase.
• Dificuldade em iniciar uma palavra, frase ou expressão.
• Excesso de tensão para produzir uma palavra ou som.
• Ansiedade em iniciar a fala, devido às sucessivas experiências com a fala gaguejada.
• Capacidade limitada para se comunicar de forma eficaz.
• Movimentos motores involuntários como: tensões faciais, tremores de lábios, mandíbula, piscar de olhos, entre outros.

Possíveis complicações
Pessoas com gagueira tendem a falar menos e isso poderá interferir quantitativa e qualitativamente nos objetivos a serem atingidos. A gagueira pode afetar a vida profissional e pessoal, gerando insatisfações e frustrações.

Procurando ajuda:
Caso a gagueira persista por mais de 8 semanas, é necessário procurar um fonoaudiólogo especializado na área. Cuidado com indicações como "espera que passa" é o pior diagnóstico que os pais podem receber sobre a fala de sua criança. Sim, a chance de alcançar a remissão espontaneamente é grande – cerca de 80% - mas as outras crianças que correm risco, estarão perdendo um tempo precioso de reabilitação. Uma criança que gagueja não necessitará ser um adulto que gagueja.

Entre em contato com o fonoaudióloga especializado em fluência caso a gagueira:
• Durar mais de oito semanas.
• Ocorrer acompanhada de outros problemas de fala e linguagem.
• Quando a quantidade de rupturas ou a sua intensidade aumentarem ao longo do tempo, mesmo durante o período de oito semanas.

• Ocorrer com visível dificuldade para falar.
• Afetar a capacidade da criança de se comunicar.
• Causar dificuldades emocionais, como ansiedade ou estresse.
• Começar quando a pessoa já é adulta.

Tratamento para gagueira:
Existem diversos tratamentos disponíveis contra a gagueira. A natureza dos tratamentos deverá ser compatível com a idade da pessoa e com os objetivos de comunicação específicos de cada um, especialmente se a pessoa que gagueja for adulta, entre outros fatores. Caso você ou sua criança gaguejem, é importante procurar um fonoaudiólogo a fim de ver o melhor tratamento disponível.

Orientações
Os pais de crianças que gaguejam podem tomar algumas atitudes para ajudar os pequenos:
• Ouvir com atenção o seu filho sua criança e manter a naturalidade enquanto ela fala.
• Separar um tempo para conversar com sua criança seu filho, sem distrações.
• Falar devagar e sem pressa, sem contudo perder a naturalidade da fala.
• Incentivar todos da família a serem bons ouvintes.
• Criar um ambiente o mais tranquilo e relaxado possível.
• Evitar de chamar atenção para a gagueira durante interações diárias.
• Aceitar a criança como ela é.
• Não reagir negativamente, não criticar e não punir a sua criança seu filho quando ela gaguejar.
• Prestar atenção conteúdo da mensagem e não na forma.

Fontes:
• Ignês Maia Ribeiro, fonoaudióloga especializada em fluência e diretora educacional do Instituto Brasileiro de Fluência

• Associação Brasileira de Gagueira

• Associação Americana de Fala, Linguagem e Audição

• Instituto Nacional de Surdez e outros distúrbios de comunicação do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos

• Clínica Mayo – organização sem fins lucrativos dos Estados Unidos que reúne conteúdos sobre doenças, sintomas, exames médicos, medicamentos, entre outros.

Fga. Paula Aoki
CRFa.8264-PR É fonoaudióloga clínica, formada pela Universidade do Norte do Paraná (UNOPAR) ano de 2002, atuando parte clínica desde 2002.
 
redes sociais
 
localização